width="62" height="65" border="0" /> width="75" height="65" border="0" id="Image2" onmouseover="MM_swapImage('Image2','','http://www.afreaka.com.br/wp-content/themes/afreakaV2/images/btnpostsselected.gif',1)" onmouseout="MM_swapImgRestore()"/> width="75" height="65" border="0"/> /> /> /> />

MoçambiqueQuelimane: o Pequeno Brasil de Moçambique

O Pequeno Brasil. Assim ficou conhecida a cidade de Quelimane, em Moçambique. O motivo? A celebração massiva do carnaval. E se no resto do país não se comemora, ali o festejo dura dez dias e não há cidadão que não esteja envolvido na folia. De brasileiro mesmo são apenas duas características: o fundo musical, regado de sambas-enredo, alguns pagodes e muito axé, e o samba, que os quelimanenses com o remelexo de pés, pernas e quadris provam que a dança não é mais de um país só. Mas de resto, o carnaval do Pequeno Brasil é grávido de vida e tradições próprias. Mascarados assombrados, foliões de bairro e o enterro do Senhor Carnaval são algumas das marcas que Quelimane deixa para a história da festa.

 

 

Pede-se que as celebrações calhem sempre em fevereiro, mas não há uma data específica para a Festa das Máscaras, nome que a tradição ganhou há mais de três gerações. O importante é que os dez dias sejam festejados. Da primeira sexta ao domingo seguinte, o agito não para e as comemorações principais acontecem nos dois finais de semana, quando a cidade se reúne de noite para assistir os grupos de foliões desfilarem. Na passarela, são duas as categorias: as dos bairros e as de empresas. Cada uma tem 13 casais, sendo um deles formado pelo rei e pela rainha. Grupo por grupo são chamados ao palco para exibir a dança que vêm ensaiando há meses. O som é aleatório, dançam por três minutos no ritmo da música sorteada – sempre brasileira – e seguem para continuar o desfile ao redor da praça principal da cidade. De fantasias simples de sobreposição de panos a máscaras elaboradas completadas por corpos pintados, os grupos são caprichados na dança e no figuro.

 

 

Espalhadas pelas ruas estão as ‘barracas’ de comida e bebida, servindo muitas das especialidades da cozinha local, renomada no país. Além da avenida principal, as estruturas, que foram montadas para a ocasião, se estendem para a praça e para as vielas que desembocam nela. Em meio às barracas e aos foliões, pululam os ‘Mascarados’. São figuras independentes, que não fazem parte de nenhum dos grupos organizados. Suas fantasias tem um quê de assustador, juntam pano com pano, adicionam papel amassado, um trapinho daqui e outro de lá e, com muito trabalho e imaginação, estão prontos para perambular pelo Carnaval. Representam figuras místicas da história de Moçambique e suas fantasias têm apelo e carga social, muitas vezes criticando os abusos do período colonial. Os ‘Mascarados’ escolhem seus grupos, juntam-se com quem lhes interessar as energias, também sobem ao palco e seguem sendo uma das principais atrações da festa.

 

 

No segundo domingo e último dia das comemorações, a cidade entra literalmente de luto. É o momento do enterro do Senhor Carnaval, que será carregado pelas ruas de Quelimane dentro de um caixão. O personagem representa o fim da festa, o adeus à folia. Atrás do caixão seguem dois grupos vestidos de preto pregando pelo morto e depois vão chegando enfileiradas cada uma das escolas que participaram das comemorações. Entre risos abafados, todos vão chorando, gritando, encenando até mesmo ataques epiléticos durante a brincadeira. Quando um se joga ao chão sofrendo pela morte do Carnaval, amigos vêm ao seu amparo, algumas vezes com água, outras com improvisadas máscaras de oxigênio. A plateia se diverte com o show teatral. A procissão dura horas e vai acabar a noitezinha, desaguando em um dos momentos mais esperados pelos participantes: a premiação dos destaques do ano.

 

 

Mascarados, foliões de grupos e empresas, reis e rainhas e conjuntos musicais: são as diferentes categorias na disputa pelo prêmio. O atual organizador da festa, Camal Meragy, explica que os jovens começam a se preparar para o evento já no mês de setembro. Realizam concursos para selecionar os 26 integrantes do grupo, fazem eleições para a escolha do rei e da rainha, ensaiam semanalmente a coreografia que será apresentada, contratam alfaiates e até costuram suas próprias fantasias. Enquanto os grupos de bairro recebem apoio da prefeitura local, os outros foliões procuram, e sempre conseguem, o patrocínio de empresas locais. A Festa das Máscaras é o combustível que move Quelimane, uma cidade, que depois de Salvador, Rio e Olinda e São Paulo, começa a marcar com ênfase seu espaço no mapa do Carnaval.

 

 

GALERIA DE FOTOS